Contact Us   |   Sign In   |   Register
Blog Home All Blogs
Search all posts for:   


View all (71) posts »

Bridging Dance and Health in Brazil IV – Dancing against the odds

Posted By Clara Fischer Gam, MS, Tuesday, April 19, 2016

This is the 4th installation of a series about the opportunities and challenges of Dance and Health in Brazil. Over the last few months we have been exploring together the potentialities of this emerging field – as experienced by our Brazilian IADMS members! As we start heading to the end of this post series, today, in the second-to-last installation, I will be sharing with you some perceptions and lived experiences of Brazilian IADMS members when it comes to building up a dance career in Brazil.



Considering our country’s particular context, the central question arises: What is exactly the greatest challenge of a dancer’s career in Brazil?



“To dance.” Simply states Dr. Adriano Bittar, a Brazilian IADMS member. “Just to get to the point of building up a career is fairly challenging in this country”, states Dr. Izabela Lucchese Gavioli, another IADMS member. As most of my Brazilian peers have agreed, it seems that the greatest challenge dancers face today is to find the most elementary conditions for nourishing their professional development.


Since the early years as a student there are high rates for education, maintenance of dance shoes or specific dancewear as well as additional costs for supplementary training, medical, and psychological care. Although it is widely known that proficiency can only be achieved by a certain cost, in the Brazilian context those are high-stakes investments. “There are not enough dance companies to accommodate the amount of professional dancers in the sector”, attests IADMS member Barbara Pessali-Marques. Consequently, “there are not many chances to experience auditioning, which is routine for young dancers around the globe”, as Dr. Gavioli explains. Auditions play an important role in the early artistic development because “dancers can learn to cope with the stresses involved in performing. It is also a chance to attain more self-knowledge”. Not being able to experience dance or find work in the field, it is no surprise that “a considerable amount of dancers will leave the country on the search of an opportunity to start a career in dance”, attests by Dr. Aline Haas, also part of the IADMS community. Among the dancers that go abroad for experiencing dance, a portion of them can afford the costs of living abroad whilst the other portion were able to attain financial support through dance competition results. For the dancers that build up their careers in Brazil, starting either by joining a dance company or by taking part in a particular dance project, it is very likely that remuneration will be low. For dancers that pursue individual initiatives such as founding their own companies or developing solo performances, the scenario remains the same; “frequently, dance projects will end up in financial loss”, affirms Barbara Pessali-Marques.


As we delve into the dancer’s situation in the Brazilian context, it becomes clear that the greatest challenges of a career in dance are way beyond the sphere of individual striving; they are part of a bigger picture. “I believe that the lack of support for arts and culture is the main challenge, as the dance occupation is unappreciated; it is a vicious cycle”, Barbara Pessali-Marques states. As we have mentioned back in the second installation of this series, the issues involving recognition of the dance professional are reinforced by the lack of national policies, legislation or regulation of the dance career. “Getting proper health care assistance, planning the season and the volume of classes and rehearsals is hard work when support and sponsorship are scarce”, states Dr. Gavioli, who speaks from the perspective of both a physician and a choreographer.


Taking these conditions into account, I wonder what would be the impact on dancers’ behavior towards health and well-being. Ultimately, how does that affect the relationship with their own bodies?


“Based on my own experience as a classical dancer, where self-competition is very present, I see that crossing our boundaries becomes part of the routine in such environment”, says Kaanda Gontijo, a physical therapist and IADMS member that is still dancing on stage, and “as a result, we see the high rates of injury in this population”. Worldwide, dancers are known for having the habit of dancing through injury. Still nowadays that seems to be part of dancers’ culture. As suggested by Flora Pitta, another IADMS member that shares the occupation of being a professional dancer and a physiotherapist, “I believe that this behavior is related to dancers’ fear of unemployment”.


Interestingly, at the same time that the culture of pain remains present these days, some members of the Brazilian IADMS community pointed out to a shift in dancers’ behavior towards health and wellbeing. Over the last few years they have been noticing that dancers are arriving to their clinic of practice, classroom or studio with a broader awareness of the physical dancer and engagement in listening to their body needs than before – a trend I observe to be common to the Global North countries. Brazilians have come to understand  that a higher number of the injured dancers that go through the rehabilitation process become hard wired for a deeper understanding of the injury pattern as well as for taking care of their own bodies.



Later in the career, the dancer’s body will eventually exceed its peak performance years. As we have formerly discussed in a previous post, many dancers will have to retire in what would be considered a young age, as often dance involves a short career on stage. Although their bodies are not as available as before, the creative capacity is still ascending. But what happens next?


“The lack of career transitioning programs tailored for dancers in Brazil results in dancers transitioning to different occupations, mostly unrelated to dance. I believe that the lack of appreciation for the dance occupation diminishes the chances of keeping this professional in his original field of knowledge after dancing years have passed”, states Dr. Bittar, “I can clearly see that these artists have a lot to contribute to the dance sector after retirement, assuming roles that are still to be explored”.


Being a dancer in Brazil seems to go against the odds; from the early ages of professional development, through dancing years to life after retirement, the challenges of building up a successful career are constant. When working for dancer’s health, it is important to consider that this process goes together with empowering the dance occupation. As an educator and researcher, I continuously ask myself,   “How can Dance Science contribute to the recognition of our dancers?”



The Brazilian members of IADMS are:

- Adriano J. Bittar Sr

- Aline N. Haas

- Bárbara P. Marques

- Clara Fischer Gam

- Claudia Daronch

- Daisy M. Machado

- Flora M. Pitta

- Izabela L. Gavioli

- Kaanda N. Gontijo

- Marcia Leite

- Mariana G. Bahlis


Join us on the Facebook group “Dance Science Brasil”!


Clara Fischer Gam, MS.

“Dance Science Brasil” Group Admin

MSc Dance Science | BEd Dance Education | Pilates Instructor

Rio de Janeiro – Brazil






Integrando Dança e Saúde no Brasil, Parte IV: dançando contra a corrente



Esta é a quarta parte de uma série de postagens sobre as oportunidades e desafios da Dança e saúde no Brasil. Nos últimos meses, viemos explorando as potencialidades deste crescente campo, através da experiência dos membros brasileiros da IADMS! À medida que começamos a aproximarmo-nos do fim dessa série, hoje, na penúltima postagem, vou compartilhar com vocês algumas das nossas percepções e vivências sobre a carreira de bailarino no Brasil.


Considerando o contexto específico desse país, surge o questionamento: qual é exatamente o maior desafio da carreira em Dança no Brasil?


"Dançar." Afirma sucintamente Dr. Adriano Bittar, membro brasileiro da IADMS. "Só para se chegar ao ponto de iniciar a construção de uma carreira já é bastante desafiador nesse país", afirma Dra. Izabela Lucchese Gavioli, outro membro. Como a maioria dos meus colegas brasileiros concordam, parece que o grande desafio que o bailarino enfrenta atualmente é encontrar as condições mais elementares para nutrir seu desenvolvimento profissional.


Desde os primeiros anos estudando Dança, é necessário arcar com o custo alto de aulas técnicas, manutenção de sapatilhas ou trajes específicos do estilo, bem como despesas adicionais com a preparação física, atendimentos médicos ou psicoterapêuticos. Sem dúvida, sabe-se que a proficiência apenas pode ser alcançada a um certo preço - porém, no contexto brasileiro, esses são investimentos de risco. "Não há companhias de dança suficientes para acomodar a quantidade de bailarinos profissionais no setor.", atesta o membro da IADMS Bárbara Pessali-Marques. Consequentemente, "...poucas são as oportunidades de passar pela vivência da audição, que é rotina para jovens bailarinos de todo o mundo.", explica a Dra. Gavioli. As audições desempenham um papel fundamental nos primeiros anos do desenvolvimento artístico, pois nesse ambiente "...bailarinos aprendem a lidar com o estresse da performance. É também uma chance de alcançar maior auto-conhecimento.".


Por não conseguirem vivenciar a Dança, nem encontrar trabalho no campo, não é de se surpreender que "...uma quantidade considerável de bailarinos vai deixar o país em busca de uma oportunidade de iniciar a carreira em Dança", observa Dra. Aline Haas, também parte da comunidade IADMS no Brasil. Entre os bailarinos que vão para o exterior em busca de experiência em Dança, apenas uma parte deles pode arcar com os custos de viver no exterior, enquanto a outra porção é composta por vencedores de premiações competitivas, recebendo apoio financeiro para os estudos. Quanto aos bailarinos que seguem a carreira no Brasil em companhias de Dança, é muito provável que a remuneração será baixa. No caso dos bailarinos que apostam em iniciativas autorais, tais como a criação de suas próprias companhias ou o desenvolvimento de performances solo, o cenário permanece o mesmo; "Frequentemente, os projetos de Dança resultam em perdas financeiras.", afirma Bárbara Pessali-Marques.


Enquanto mergulhamos na situação do bailarino no contexto brasileiro, torna-se evidente que os maiores desafios de uma carreira na Dança estão muito além da esfera do esforço individual; eles são parte de um quadro geral: "Eu acredito que a falta de apoio para as artes e cultura é o principal desafio. Como resultado, a profissão em Dança é desvalorizada. No fim das contas, isso se torna um ciclo vicioso.", Bárbara Pessali-Marques afirma. Como já mencionado na segunda postagem dessa série, as questões em torno do reconhecimento do profissional Dança são reforçadas pela falta de políticas públicas, legislação ou regulamentação da carreira de bailarino: "Obter assistência de saúde adequada, planejamento da temporada e organização do volume de aulas e ensaios é um trabalho árduo num cenário onde há escassez de apoio e patrocínio.", afirma a Dra. Gavioli, que observa essa situação pelo olhar médico e também da coreógrafa, já que ocupa ambas funções.


Levando em conta essas condições, eu me pergunto como elas impactam o comportamento dos bailarinos quanto ao tema saúde e bem-estar. Em última análise, como isso afeta o relacionamento com seus próprios corpos?


"Com base na minha própria experiência como bailarina clássica, onde a auto-competição é muito presente, eu vejo que ultrapassar nossos limites torna-se parte da rotina nesse ambiente.", diz Kaanda Gontijo, fisioterapeuta e membro da IADMS, que continua dançando na palco. Completa Kaanda: "Sabemos que como resultado, vemos elevadas taxas de lesões nessa população.". Mundialmente, bailarinos são conhecidos por terem o hábito de desconsiderar suas lesões. Ainda hoje, isso parece ser parte da cultura da Dança. Como sugerido por Flora Pitta, outro membro da IADMS, que divide seu tempo entre a profissão de bailarina e fisioterapeuta, "Eu acredito que esse comportamento está relacionado com o medo permanente que os bailarinos cultivam do desemprego.".


Curiosamente, ao mesmo tempo que a cultura da dor continua presente nos dias de hoje, alguns membros da comunidade brasileira da IADMS apontam para uma mudança no comportamento dos bailarinos em relação à saúde e bem-estar. Ao longo dos últimos anos, eles têm percebido que os bailarinos estão chegando nos consultórios, salas de aula ou estúdios com uma consciência mais ampla das demandas físicas da profissão e maior interesse em perceber as necessidades do corpo - uma tendência que observamos ser comum aos países da Europa e Estados Unidos. Nossos membros têm identificado que muitos bailarinos lesionados, que passam pelo processo de reabilitação, tornam-se mais atentos a uma escuta profunda do padrão das lesões recorrentes, bem como mais cuidadosos com seus próprios corpos.


Em algum momento mais adiante na carreira de bailarino, o corpo irá ter que encarar, e ultrapassar, os seus anos de alto desempenho no palco. Como já anteriormente discutido em outra postagem, muitos bailarinos terão de aposentar-se em uma idade jovem, já que na maioria dos casos a carreira de performer tem curta duração. Embora seus corpos não estejam mais tão disponíveis como antes, a capacidade criativa ainda é ascendente. Mas o que acontece a seguir?


"Como no Brasil não existem programas de transição de carreira adaptados para bailarinos, muitos não têm opção, se não buscar diferentes ocupações, em geral não relacionadas com a Dança. Eu acredito que a falta de reconhecimento do setor da Dança diminui as chances de manter esse profissional em seu campo original de conhecimento, depois que os anos de palco terminam.", afirma o Dr. Bittar. Completa, ainda: "Na minha opinião, é bastante claro que esses artistas têm muito a contribuir para o setor da Dança após a aposentadoria, assumindo papéis que ainda precisam ser explorados."


Parece que ser bailarino no Brasil é ter que nadar sempre contra a corrente. Desde os primeiros anos de desenvolvimento profissional, passando pelos tempos no palco, até o período após a aposentadoria, os desafios da construção de uma carreira de sucesso são constantes. Enquanto promovemos a saúde do bailarino, é importante considerar que esse trabalho precisa caminhar junto com o empoderamento da profissão Dança. Como educadora e pesquisadora, eu me pergunto continuamente: como a Ciência da Dança pode contribuir para o reconhecimento de nossos bailarinos?


Fique ligado, em breve estará no ar a última edição do “Integrando Dança e Saúde no Brasil”! 


- Junte-se a nós no Grupo “Dance Science Brasil”!


- São membros brasileiros da IADMS:


Adriano J. Bittar           

Aline N. Haas            

Bárbara P. Marques            

Clara Fischer Gam  

Cláudia Daronch         

Daisy M. Machado            

Flora M. Pitta            

Izabela L. Gavioli            

Kaanda N. Gontijo            

Marcia Leite            

Mariana G. Bahlis    


Clara Fischer Gam, Mestre Ciência da Dança

Licenciada em Dança

Administradora do grupo Dance Science Brasil

Co-fundadora do Corpos Aptos, Gestos Livres

Rio de Janeiro – Brazil


Tags:  Brazil  translation 

Permalink | Comments (0)
Association Management Software Powered by®  ::  Legal